Inovadora há mais de 185 anos

Líder em tecnologia desde 1829

Há mais de 185 anos, a Waelzholz segue a tradição de apresentar inovações pioneiras. Em 1829, Caspar Diederich Wälzholz comprou uma instalação de produção de arames brutos em Nahmertal estabelecendo, assim, a base da atual Empresa. Muito precocemente, essa empresa familiar se tornou um líder tecnológico da época, dando início, com novos produtos e métodos de fabricação, à orientação rumo ao crescimento. Nos primeiros anos, com a fabricação, por exemplo, de pentes com alta elasticidade para teares, arames especiais para guarda-chuvas e guarda-sóis ou molas para as armações das crinolinas para saias e vestidos em formato balão. Passados 35 anos da sua fundação, a Waelzholz era uma empresa líder na indústria de relaminação e já, em 1890, exportava para o Japão e Inglaterra.

Competência em engenharia

Em todas as épocas, a Waelzholz operou com as mais modernas instalações e, como líder em tecnologia, sempre forneceu materiais para aplicações pioneiras. Por exemplo, enquanto que, em torno da virada do século, a Empresa fabricava aços Paragon, nos anos cinquenta, ela produzia perfis para cantos de esquis usados nos Jogos Olímpicos. Os atuais produtos inovadores e flexíveis como, por exemplo, os aços mola de alta resistência, utilizados em sistemas de cintos de segurança, e as tiras de aço elétrico de espessura mínima, empregadas em motorizações elétricas para veículos tecnologicamente sustentáveis e em instalações eficientes de geração de energia, caracterizam hoje em dia a orientação dos materiais e desenvolvimentos dessa Empresa. Empresas atuantes no mundo todo trabalham no desenvolvimento dos seus produtos, já desde a fase inicial de criação, em estreita parceria com a Waelzholz aproveitando, assim, o know-how desse especialista em aço relaminado.

Internacionalmente ativa

No passado recente, a Waelzholz impulsionou a expansão nos mercados internacionais. Hoje, a Waelzholz, com aproximadamente 2.400 colaboradores, é uma das maiores empresas de relaminação do mundo, e segue ampliando com determinação sua orientação internacional. Nesse sentido, essa companhia está presente com suas unidades de produção e vendas nos mercados-alvo estrategicamente importantes na Ásia e nas Américas. Dinâmica e força inovadora impulsionam o desenvolvimento dessa Empresa há mais de 185 anos. Sobre esses fundamentos, a Waelzholz também seguirá construindo seu futuro.

Sucesso há mais de 185 anos

1829 - 1899

1829  //  Compra da instalação de fabricação de arame bruto «Auf’m Graben» (Mühlengraben) em Nahmertal e, pouco tempo mais tarde, arrendamento da fábrica de arames finos e planos «Borggräfen-Rolle» em Obergraben

1845  //  A «fábrica de pentes para teares de Caspar D. Wälzholz» é uma de um total de doze unidades de produção de pentes para teares e arames em Hohenlimburg (Hagen)

1848  //  Crise devido à revolução, com estagnação nas vendas, queda na produção e demissões

1850–1857  //  Compra da fábrica «Borggräfen-Rolle»

1854  //  Início de fabricação de arame especial para guarda-chuvas e guarda-sóis que, nos anos subsequentes, comprova ser um campeão de vendas

1857  //  Transição de gerações – o fundador da Empresa, Caspar D. Wälzholz, transfere a Empresa sólida ao seu filho Ludwig

1863 // A produção de uma ampla gama de arames de ferro e aço, molas, pentes para teares de arame de ferro, aço ou bronze, muitos arames especiais de alta qualidade como arames para correntes, telégrafos, canetas, amarrar, máquinas e para agulhas de tricotar, garfos, guarda-chuvas e guarda-sóis, chapinhas perfuradas de ferro para passagem da linha nos teares (Maillons), comércio com outras mercadorias de ferro, aço e bronze, adquiridas à parte

1864 // Demolição da antiga fábrica de arames e construção de um moderno galpão de fábrica de dois andares; a roda d’água é complementada por uma máquina a vapor de 12cv


1866  //  Montagem das primeiras instalações de relaminação com cilindros de ferro fundido e construção de uma instalação de têmpera própria para dar início à fabricação de arames laminados a frio para crinolinas

1866–1867  //  A guerra austro-prussiana conduz a uma parada na produção de arames para crinolinas. Waelzholz produz arames de ferro para botas militares

1868  //  Expansão

  • Compra de um torno próprio
  • Instalação de uma máquina a vapor maior
  • Construção de um galpão para o processo de embalagem e de um escritório
  • Ampliação da instalação de trefilação
  • Modernização da instalação de recozimento
  • Associação da Empresa ao seguro de saúde e previdência dos fabricantes de Hohenlimburg 

1870  //  Novas possibilidades de aplicações para aço relaminado: instrumentos, parafusos, molas, máquinas de costura, bicicletas, cadeados e trancas, arames para flores e plantas e componentes para espingardas

1874  //  Ludwig Wälzholz falece por motivo de doença. Seu filho, que acabara de completar 20 anos, assume o comando da Empresa com seus irmãos August e Gisbert. Porém, a proprietária continua sendo Louise Wälzholz

1884  //  Crise nas vendas devido à queda da demanda de aço para espartilhos e crinolinas

1887  //  Aperfeiçoamento do aço para crinolinas chegando à criação do aço Paragon

1896  //  Construção de um laminador maior, acionada por duas máquinas a vapor

 

1900 - 1999

1905  //  Com a empresa Feuerhake & Cie. celebra-se a fundação da empresa Union-Gesellschaft für Metallindustrie GmbH em Fröndenberg (fábrica de correntes e bicicletas)

1906-1910 // Construção de mais um laminador

1919  //  Günter Wälzholz se torna sócio de responsabilidade ilimitada

1921  //  Dr. jur. Hans Junius, doutor em jurisprudência e genro de Ludwig Wälzholz, se associa como conselheiro geral à diretoria 

1937  //  Dr. jur. Hans Junius se torna sócio de responsabilidade ilimitada e Ludwig Wälzholz deixa a diretoria da Empresa; Otto Dreiser se torna procuradorb

1939–1945  //  Fabricação para a indústria metalúrgica e bélica, em parte com o emprego de trabalho forçado e prisioneiros de guerra

1946  //  O filho de Dr. Hans Junius, Hans Martin Junius, assume a responsabilidade da fábrica. A pinça de ferro criada por Junius, chamada “Justo”, revela-se campeã de vendas

1951 // Construção de novos galpões, entre outros, o “Galpão Paragon”. Na área de recozimento ocorre a transição das antigas caldeiras a gás e carvão para um forno elétrico contínuo com rolos

1953–1955  //  Os filhos de Dr. Hans Junius, Hans Martin Junius e Eckart Wälzholz-Junius, e seu sobrinho Dieter Wälzholz assumem o comando da Empresa

1954  //  Inauguração do Galpão Ludwig

bis 1962  //  Construção de cinco grandes galpões e transferência do núcleo de relaminação composto pelas instalações reversíveis de alto desempenho, pelo recozimento e pelo departamento de produção de chapas dínamo para a cidade de Hagen. Instalação de uma nova linha de recozimento para aço elétrico

1966  //  Construção de uma central administrativa em Hagen-Fley

1969  //  Construção da fábrica de Hagen-Fley-Nord

1972  //  Inauguração de uma moderna linha de decapagem

1973  //  Fundação da Brasmetal Waelzholz S.A. em São Paulo e fechamento da fábrica da empresa Union-Gesellschaft für Metallindustrie GmbH em Fröndenberg

1975  //  Inauguração do grande laminador tandem quádruo de quatro cadeiras

1983  //  Ampliação da linha de recozimento com instalação de fornos de recozimento em caixa

1989  //  Construção do armazém de estantes altas

1990  //  O engenheiro Dr. Hans-Toni Junius e o economista Herbert Otten assumem a diretoria da Empresa

1991  //  Construção de um moderno centro de fabricação de cantos de esquis em Hagen-Hohenlimburg

1993  //  Aquisição da firma Gerätebau Huber e fundação da Wälzholz Huber GmbH em Götzis (Áustria), atualmente denominada Waelzholz International GmbH

1996 //   Compra do forno contínuo de recozimento de chapas elétricas da Hoesch. Fundação com a empresa D&B da subsidiária CDW-Edge em Cleveland, estado de Ohio (EUA)

 

A partir de 2000

2000  //  Compra da fábrica de Hagen-Kabel – antiga fábrica de laminação a frio da Hoesch Hohenlimburg

2001  //  Compra da empresa IJ Stahleisenhandel, localizada em Iserlohn-Stenglingsen, pela família Junius e sua transformação em Centro de Serviços CDW, hoje Waelzholz Service Center GmbH, assim como aquisição da empresa D&B e fundação do Centro de Serviços da CDW Service Center D&B, Ltd. em Cleveland, Ohio, hoje Waelzholz North America

2002  //  Aquisição da empresa de relaminação Kaltwalzwerk Brockhaus em Plettenberg

2003  //  Aquisição da firma Bernier em Thiers, na França, e fundação da C. D. Wälzholz France SAS, hoje Waelzholz France SAS

2005 //   Dr. Hans-Toni Junius assume, como presidente da diretoria, o comando da Empresar

2007  //  Aquisição da empresa “Kaltwalzwerk Röchling KG” em Oberkochen. Fundação do Centro de Serviços Waelzholz New Material (Taicang) Co., Ltd. na China e instalação da joint venture entre a Waelzholz e a empresa Hugo Kern und Liebers GmbH & Co. KG, criando a Taicang Waelzholz – Kern-Liebers New Material Co., Ltd.

2008  //  A filial da Waelzholz Asia em Hong Kong assume do início de 2008 até o final de 2012 as vendas na Ásia

2011  //  Aumento da participação acionária da Brasmetal Waelzholz S.A., hoje Waelzholz Brasmetal Laminação Ltda., em São Paulo, tornando-se sócia majoritária

2014  //  Abertura da fábrica de laminação a frio na China como ampliação do Centro de Serviço Waelzholz New Material (Taicang) Co., Ltd

2016 //  Aquisição das atividades de laminação a frio da empresa Wickeder Westfalenstahl GmbH em Wickede (na região do Ruhr)

2017 //  Aquisição da empresa Friedr. Gustav Theis Kaltwalzwerke GmbH in Hagen